ENTREVISTAS

Podcast Galeria Kogan Amaro, 2020

Tv Brasil, 2020

Porto de Memórias, 2021

Galeria Kogan Amaro, 2020

Mostra de Arte da Juventutude, Sesc Ribeirão Preto, 2019

eptv.jpg

Eptv, 2015

2020. Entrevista para Zé Ronaldo
          - Destaques da Semana no Mundo da Arte Contemporânea

2020. Entrevista para Cynthia Garcia, New City Brasil
          - Homebodies: Art Twins Tangerina Bruno Are the Stars in Their Paintings

2019. Entrevista para Tatiane de Assis, Arte ao Redor, Veja São Paulo
          - Quem são os gêmeos por trás das telas cheias de suspense do interior de SP 

DSC05695CORTEmenor.jpg

TANGERINA BRUNO (1993, Porto Ferreira - SP).

Vivem e trabalham em Porto Ferreira, São Paulo.

Tangerina Bruno é um duo formado pelos irmãos gêmeos Letícia e Cirillo, de Porto Ferreira, interior do estado de São Paulo. A produção exige as quatro mãos e as duas mentes dos artistas, que se transformam em um terceiro elemento, vivo, dono de novas ideias, que produz, pinta e reconta as experiências vividas pela dupla. Assinam com o seu sobrenome, Tangerina Bruno.

A produção da dupla se inicia em 2013, através da pintura. A partir de 2018, começam a desenvolver trabalhos em outras linguagens, como a fotografia, desenho, escultura e objeto.

Dentre as participações em exposições, destacam-se as individuais Estados Cotidianos, na Galeria Kogan Amaro e Piruá no Centro de Arte Contemporânea W e coletivas em instituições como o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e o Museu de Arte de Ribeirão Preto, no espaço Auroras em São Paulo, o FAMA Museu, a Mostra de Artes da Juventude (Sesc) e salões como o Novíssimos (Galeria IBEU) e o Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto.

A formação dos irmãos se deu através de cursos livres, como aulas de pintura com o artista Manoel Veiga e grupos de acompanhamento e interlocução como o Artistas na FAMA com orientação de Katia Salvany; o Ciclo Jundiaí no Sesc, com orientação de Ana Paula Cohen, Thiago Honório e Andrey Zignnatto; o Grupo de Estudo e Produção de Arte Contemporânea no Instituto Tomie Ohtake com orientação de Paulo Miyada e Pedro França e acompanhamento com o crítico Mario Gioia em Ribeirão Preto.