Da Boca Pra Fora, atual - 2017

é uma pesquisa artística em desenvolvimento, que se interessa em pesquisar os ditados e expressões populares em diferentes linguagens. 

O movimento mais recente da pesquisa é a realização dos curtas-metragens abaixo. O primeiro produzido entre dezembro/2020 e janeiro/2021.

O curta Da Boca pra Fora - primeira partitura se concretiza como uma animação em stop-motion onde artes visuais, dança e cinema se encontram. Utilizando a verbalidade dos ditados populares como dispositivos corpóreos, os artistas propõem reflexões plásticas sobre processo criativo, a fisicalidade dos corpos e das imagens. “A corda sempre arrebenta para o lado mais fraco”, “fazer tempestade em copo d’água” e “chutar o balde” são ditados populares que norteiam o roteiro-partitura do curta.

“Da Boca Pra Fora” é um diálogo entre as pesquisas do duo artístico Tangerina Bruno (composto pelos irmãos gêmeos Letícia e Cirillo) e da artista e pesquisadora do corpo Lara Costa. Esta obra foi produzida pela Prefeitura Municipal de Porto Ferreira, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Cultura e Ministério do Turismo através da Lei Aldir Blanc.

Mídia: Arte ao Redor, Veja São Paulo e na versão impressa na Vejinha edição nº 2725.
 

frames do curta:

“Um dia da caça e outro do caçador” e “Quando um não quer dois não brigam” são ditados populares que norteiam o roteiro-partitura deste segundo trabalho, que é lançado um ano após o primeiro curta de “Da Boca pra Fora”.

Esta obra foi produzida pela Prefeitura Municipal de Porto Ferreira, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Governo Federal, por meio da Secretaria Especial de Cultura e Ministério do Turismo através da Lei Aldir Blanc.

frames do curta:

chama 4 EDIT CORTE.jpg

Precursor do curta Da Boca pra Fora, em 2019 animamos uma sequência de desenhos como proposta para a exposição online Polissemia Política, Arte Londrina 8.

Como se fossem frames, desenhos impressos em papel jornal foram organizados de modo a compor uma sequência. O trabalho faz parte de uma pesquisa que se interessa em pensar a representação de ditados e expressões populares. Utilizando a própria figura, os desenhos são baseados em referências fotográficas obtidas a partir de performances, onde a dupla se reveza entre quem registra e quem performa a ação.

faixa_edited_edited_edited.jpg

Ditados e expressões populares transmitem conceitos e experiências que são repetidos de geração em geração, geralmente em tom de conselho. Rompendo a barreira da língua e das classes sociais, essas frases são largamente repetidas, ignorando e banalizando a dimensão real das ações que muitas delas descrevem. Dentro dessas ações, faz-se necessário a utilização de objetos, animais e alimentos. Diante disso, separamos esses elementos e criamos os Kits Básicos de Sobrevivência (2019), que são itens necessários para a execução de ações que coletivamente afirmamos como essenciais ao convívio social. 


A partir dos Kits e da ressignificação de seus itens, dentro da série também apresentamos o Manual de Instruções (2019). Nessas obras, exploramos através da nossa própria figura a representação visual dessas ações, demonstrando a utilização prática de alguns elementos.

Os desenhos são elaborados em grafite sobre papel algodão. 2019